Ana Célia e JCDecaux: conheça esta história que dura mais de 15 anos


Ela é a 3ª mulher indicada na categoria e pode ser a 1ª mulher a ganhar o prêmio!



Conheça a Ana


Ana Célia Biondi, ou apenas Ché pros mais íntimos. Para ela, no entanto, todo mundo é íntimo. Afinal, falante do jeito que é, fica amiga de todo mundo e fala até com poste, ou melhor, com relógio.

Ariana de corpo e alma, ela não está neste mercado por acaso. Cercada de publicitários por todos os lados, largou os números do mercado financeiro e um promissor emprego num Banco da Suíça e foi cuidar das operações dos relógios da cidade de São Paulo na qual virou sócia.

Passados alguns anos, a JCDecaux no Brasil virou uma realidade. Relógios em São Paulo, Rio de Janeiro e Nordeste. Metrô de São Paulo e diversos aeroportos no País, como Brasília e Guarulhos. Licitações conquistadas na unha.

Ché é casada, tem um filho e sua empresa já foi indicada duas vezes para o Caboré.

Agora chegou a vez dela.


É TEMPO DE SONHAR GRANDE


Mãe, esposa, amiga, empreendedora. Bate no peito e chama a responsa. Nada é fácil, mas quando uma mulher sabe o poder que tem, o sucesso só tem sabor de vitória após muitos obstáculos.

Na unha, no salto, desistir nunca é opção para quem quer crescer, desenvolver, mesmo que seja um mercado inteiro. Tem gente que desacredita, mas e daí? Ela sabe que o impossível é apenas questão de opinião.

Acreditar requer coragem, coragem para realizar, para acertar, errar, cair, levantar e seguir em frente para conquistar e deixar suas marcas.

O que parece pequeno fica gigante, como amor de mãe, sonhos, empatia e cada conquista.

Mãe, esposa, amiga, empreendedora e muito...muito mais... Agora é a vez dela! Voe como uma mulher, Ché.


A artista mais girl power que você respeita


Responsável pelas ilustrações cheias de atitude da nossa companha, Simone Sapienza, mais conhecida como Siss, é Artista Plástica desde 1995.

Formada em Propaganda e Marketing, sua história na Street Art começou em 2010 quando conheceu o Stencil. À partir desse encontro, Simone Sapienza virou Siss, a artista urbana, reconhecida pelo seu trabalho de alta qualidade recheado de toques ácidos de humor.

Suas criações são cheias de ícones e super heróis, em situações muito humanas e questionam o observador e seus dogmas, tirando-o de sua zona de conforto e fazendo com que se reconheça na obra, ao mesmo tempo em que o incentiva a buscar em si mesmo a interpretação do que vê. Utiliza o estêncil e a serigrafia (lambe-lambes) em quase todas as suas obras, sobre diversos tipos de suporte. Utiliza muitos textos, de autoria própria, combinando-os com as imagens.

Procura abordar em sua arte o conceito paradoxal da mulher moderna, revisitando mulheres antigas que deixaram sua marca e chegaram onde mulheres não podiam chegar.