Com o objetivo de entender a população que circula diariamente pelos terminais de embarque e desembarque do Aeroporto Internacional de Guarulhos, a JCDecaux, líder mundial em mídia out of home, apresenta o estudo Raio X GRU Airport – o consumo do Brasil passa por aqui. Realizada em parceria com o Instituto Locomotiva, a pesquisa revela o potencial de consumo dos viajantes do aeroporto e as oportunidades de negócio para as marcas, a partir de uma análise de hábitos e costumes.

Ao traçar um paralelo entre GRU Airport e demais cidades brasileiras, o estudo revela que se o aeroporto fosse uma cidade, seria a mais rica do Brasil, com 71% dos viajantes representados pela classe AB e com renda mensal duas vezes maior que a média do Brasil, onde circula um montante de R$8,4 bilhões por mês.

Com um poder aquisitivo maior que a média brasileira, a população de GRU se apresenta como um público prioritário a ser impactado pelas marcas. Segundo a pesquisa, 70% dos viajantes do aeroporto afirmam que gostam de conhecer marcas novas enquanto viajam e metade afirma gostar de chegar ao aeroporto com antecedência para poder fazer compras ou passear pelas lojas.

O percentual de pessoas que afirmam que o aeroporto é um bom lugar para conhecer novas marcas e produtos é de 62%, enquanto 4 em cada 10 compram por impulso, revelando um ambiente favorável aos anunciantes. “Esses aspectos, aliados a estimativa de que passe um montante de R$8,4 bilhões por mês no ambiente, fazem de GRU Airport uma verdadeira vitrine nacional, exposta a um público qualificado e com interesse em consumir produtos e serviços relacionados a ele”, explica Andrea Salinas, diretora de Marketing e Inovação da JCDecaux no Brasil.

Comportamento e consumo dos viajantes revelam oportunidades para as marcas

Quando o assunto é economia, os dados revelam um potencial de consumo acima da média nacional em todos os aspectos, e prova disso é o percentual de investimentos financeiros. Enquanto o número para os habitantes de GRU é de 52%, a média nacional é de apenas 6%. Além disso, o percentual de pessoas que têm cartão de crédito também é maior entre os passageiros do aeroporto (85%) na comparação com os brasileiros em geral (37%).

Os viajantes de GRU também se mostram mais preocupados com a saúde, uma vez que 79% têm planos de saúde, contra 23% da média nacional, sendo de R$ 6 bilhões a estimativa de gastos anual com o tema. O nível de escolaridade também é elevado no maior aeroporto da América do Sul: 78% dos passageiros possuem ensino superior, enquanto apenas 14% da população brasileira conseguiu atingir esse nível escolar. O interesse em ler também é maior que a média nacional, o número é de 73%.

Quando o assunto é moradia, o estudo mostra que os habitantes do aeroporto gastam por ano, aproximadamente, R$ 26 bilhões com moradia e outros R$ 4 bilhões com móveis e eletrodomésticos. O percentual de viajantes que têm carro é de 75%, contra 28% da média nacional. A intenção de compra de um veículo no próximo ano também é maior, são 22% contra 13% dos brasileiros em geral. Na “cidade GRU”, os gastos com meios de transporte ultrapassam R$ 8 bilhões por ano, e os aplicativos de transporte já são o meio preferido para chegar ao aeroporto, 26%.

O interesse em cultura também figura entre os principais dos habitantes de GRU, exemplo disso é o hábito de ir mais ao cinema do que o restante do Brasil, são 76% contra 32% que frequentaram o ambiente no último mês, cenário que também se repete com relação a shows (62%), teatro e museus (49%, enquanto a média nacional é de apenas 5%).

Outro destaque é o perfil conectado do viajante no maior aeroporto da América do Sul. A frequência diária do uso de internet chega a impressionantes 97%, enquanto a média brasileira é de 57% com acesso a web. Os que se interessam por tecnologia e inovação representam 77% e possuem, em média, 22 aplicativos no smartphone. Destes, 21% pretendem adquirir um novo smartphone no próximo ano, já a intenção de compra nacional é de 13%.

O perfil de cada terminal

De acordo com o estudo, o perfil de viajante de cada terminal de GRU Airport apresenta características diversas, que podem auxiliar na decisão dos anunciantes. A partir de uma análise detalhada, pode-se diferenciar as personas de cada terminal como: O Executivo Bom Vivant (Terminal 1), Jovem Empoderado (Terminal 2) e Elite Sofisticada (Terminal 3).

O público do Terminal 1 é o mais masculino dos três terminais (57% são homens), são mais representados pela Geração X (36% têm mãos de 45 anos), e possui um perfil mais empreendedor (34% são empresários, autônomos ou profissionais liberais). Além disso, são os que mais viajam de avião, já que o principal motivador de suas viagens é o trabalho (47% se deslocam a negócios), os que mais usam transportes por app, os que mais compram roupas, calçados e acessórios, e são mais otimistas com a própria vida e com o futuro do país.

Enquanto isso, o público do Terminal 2, que concentra 70% da população do aeroporto, possui perfil mais jovem (68% têm menos de 45 anos), mais democrático (29% são de classe C) e os que mais viajam acompanhados (39%). Além disso, costumam chegar com maior antecedência ao aeroporto (em torno de 3 a 4 horas), são assíduos frequentadores de restaurantes e bares dentro do aeroporto (69%) e costumam influenciar seus amigos e parentes em suas decisões de compra.

Já no Terminal 3, que concentra 24% dos viajantes, o perfil é mais feminino (sendo 54% a percentagem de mulheres) e mais rico (75% são de classe AB). Trata-se do público que mais viaja a lazer (57%) e chega propositalmente com antecedência ao aeroporto para fazer compras. Além disso, também são os que mais contratam todos os tipos de serviços antes de viajar e os que mais prestam atenção nas publicidades nos aeroportos.